100 ANOS DE MATARAZZO… E O DESCASO DA PREFEITURA

As Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo se instalaram em São Caetano no ano de 1912, após o arrendamento da antiga fábrica Pamplona. Ao longo das décadas seguintes, o complexo cresceu e estendeu sua atuação para os mais diversos produtos, principalmente químicos: soda cáustica, cloro, compostos de cloro, ácido sulfúrico, rayon, celulose, carbureto de cálcio, acetileno, ferro-silício, fundição, hidrogenação de óleos e produção de agrotóxicos. Até a década de 1980, o complexo trouxe desenvolvimento ao bairro Fundação e ao Grande ABC, se tornando uma das grandes referências da cidade.

A decadência teve início quando a produção química das Indústrias Matarazzo foi totalmente encerrada, no fim da década de 1980. Também nessa época o império sofreu com a concorrência contra empresas estrangeiras e a indústria automobilística.

Cem anos depois, no primeiro semestre de 2012, é concluída a demolição dos galpões abandonados. O que resta são ruínas, insegurança e a sensação de que uma parte importante da história da cidade virou pó.

Hoje, as ruínas da Matarazzo se resumem a um amontoado de tijolos e ferro retorcido, que atraem catadores em busca de renda extra e usuários de drogas à procura de esconderijo. “É triste ver isso no chão. Além da história que se perde, o terreno aberto como está desvaloriza o bairro e atrai gente mal intencionada. É perigoso.”, disse Ercília Pires Fournier, que mora em frente à antiga Cerâmica, ao jornal DGABC.

Enquanto várias cidades do mundo fazem um esforço gigantesco para preservar sua história e sua memória, o que a prefeitura de São Caetano fez para impedir a demolição das Indústrias Matarazzo? Nada. Poderia ter transformado todo o local em patrimônio histórico, garantindo sua preservação. Mas pelo contrário, não via a hora de colocar tudo abaixo nos 18 mil metros quadrados a que tem direito com o pretexto de construir um de seus parques-propaganda, prometido desde 2010.

Tanto a prefeitura quanto a empresa Sunset, dona da maior parte do terreno (200 mil metros quadrados), já demoliram as construções que ainda estavam de pé em seus respectivos terrenos. A demolição de parte do terreno que pertence à empresa foi feita de forma irregular, sem álvara municipal. Uma parede na Rua Maximiliano Lorenzini chegou a ruir sobre a calçada no mês de maio, sem ferir ninguém, mas impedindo o fluxo de veículos.

No entanto, não é só a empresa que realiza obras irregulares no terreno contaminado. Em2005, a Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) constatou a construção de obras viárias na área realizadas pela prefeitura de São Caetano do Sul, sem autorização e conhecimento da autarquia. Apesar de apresentar riscos à população e de não atender integralmente as exigências da Cetesb, o viaduto foi concluído.

Por falar em riscos…

A Indústria Matarazzo é considerada uma das 10 áreas de contaminação crítica do Estado, sob vigilância da Cetesb desde a década de 1960. Na década de 1990, investigações revelaram elevados níveis de concentração de mercúrio e Hexaclorociclohexano – H.C.H. no solo. Segundo a autarquia estadual, a área pode ser recuperada, mas todo o processo de destinação para novos fins, seja o parque proposto pela prefeitura ou qualquer outro tipo de construção, deve ser feito com autorização do órgão, que há décadas solicita um projeto de recuperação ambiental do terreno.

A empresa Sunset chegou a pedir autorização para construir edificações no mesmo ano que a prefeitura anunciou um parque no terreno. No entanto, somente em setembro de 2011, após levar várias multas, a empresa apresentou um relatório de risco e plano de intervenção. O relatório permanece em análise da Cetesb, sem prazo para liberação.

Anúncios

4 Respostas para “100 ANOS DE MATARAZZO… E O DESCASO DA PREFEITURA

  1. Camaradas,
    Vamos recuperar esta área e construir apartamentos populares para os moradores de São Caetano, que moram de aluguel em fundos de quitais, chegando a 70% da população e não sendo declarados nas pesquisas com de péssima renda.

  2. Como disse a Adriana ver uma Arquitetura preciosa como essa dói muito. São Paulo está se tornando um lugar sem passado, sem cultura sem história…. isso dói.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s